Nasceu na cidade de Hoffenbach, no dia 15 de agosto de 1904. Era filho de judeus e, por isso, encontrou dificuldades para fazer os seus primeiros anos de estudos, devido ao imenso preconceito reinante e à frieza com a qual era tratado, embora tenha nascido em teritório alemão. Depois de muito trabalho, de muita luta, dedicou-se com afinco aos estudos, transferindo-se posteriormente para a capital. No Instituto de Física da Alemanha fez o curso superior, graduando-se em física.(...)

Na cidade de Viena, após longa permanencia, enamorou-se de uma jovem, igualmente filha de judeus comerciantes da capital austríaca, cujo nome era Herta Mislooy,nascida em Sausburg, na Austria. Teve dois filhos com ela.

Desenvolveu contato com Enrico Fermi, cientista italiano, o que lhe possibilitou um maior aprofundamento em pesquisa atômicas.

Em consequência dos estudos realizados em Viena e das muitas publicações que fizera em boletins especializados da época e, dos estudos realizados sob a orientação de Albert Einstein e outros grandes cientistas de então, o Dr. Joseph Gleber foi solicitado pelo governo da Alemanha para ingressar na equipe de física, pois seu conhecimento era tal que despertava admiração nos físicos e estudiosos alemães. Logo no início da guerra foram confinados em campos de estudo e laboratórios completos que lhe foram para que desenvolvessem estudos de aperfeiçoamento de combustíveis que eram utilizados pelos alemães. O Dr. Joseph não sabia que esses combustíveis seriam usados nas destruidoras bombas voadoras desenvolvidas por outro físico e que espalhou muito sangue na Inglaterra, fazendo sofrer multidões de vidas inocentes. Os alemães eram muito desconfiados e dividiram seu trabalho em equipes, coisa natural em tempo de guerra. Por isso, essas pesquisas eram realizadas por partes e apenas os que estavam no Comando ou diretamnete ligados a eles poderiam juntar as partes pesquisadas e chegar ao seu término com produto final.(...) Segundo o Dr. Joseph, ele percebeu a tempo o que se passava e as conseqüências, caso ele trabalhasse nesse projeto. Resolveu então não terminar a parte que lhe fora confiada e adiar ao maximo o projeto que lhe correspondia. Os demais cientistas já haviam concluído as suas tarefas,mas dependiam dos estudos do Dr. Joseph, que nunca os terminava! (Fonte: Medicina da Alma, Robson Pinheiro Santos)

Marca-se a data solene para a entrega oficial dos planos.

Através do sono físico, em desprendimento, vê-se na presença de entidades espirituais, velhos e queridos protetores que acorrem solícitos em seu socorro, lembrando-lhe dos compromissos assumidos com o "Mais Alto", os quais seriam fracassados com a entrega programada, colocando à disposição do poder, da melancolia e do ódio destruidor arma tão mortífera!

Ao despertar, em pleno uso de seu livre arbítrio, decide incinerar o trabalho que lhe roubou horas de sono e descanso, num trabalho de infindáveis e fatigantes meses.

Rememora os momentos de grande ansiedade vividos no salão festivo, quando os olhares das personalidades presentes se voltam, em enorme expectativa, para a sua tão aguardada exposição. Qual o choque dos comandados por Hitler quando, desapontando a todos, anuncia que tomara a decisão de destruir o cobiçado trabalho! Muitos dos presentes tomam sua afirmativa como insana e inoportuna brincadeira, esboçando esgares de risos nervosos. Quando se certificam de sua inabalável decisão e seriedade, apelam para o seu bom senso e responsabilidade, oferecendo-lhe vantagens materiais.

Tudo debalde! Chega a vez das ameaças de morte por traição, acompanhadas de martírios sofridos pelas torturas com instrumentos medievais.

"Após meditar muito, recorrer aos valores morais adquiridos em anos de lutas e dificuldades interiores, não exitei.Preferi sacrificar a mim e aos meus, a sentir na consciencia o peso da destruição de milhões de vidas inocentes que sucumbiriam,caso a Alemanha tivesse o domínio da bomba atômica.

Assim, no dia 13 de abril de 1942, fui levado com a minha mulher e meus dois filhos para dentro de um forno crematório e fomos todos cremados vivos. Até hoje me alegro por haver tomado esta decisão e pude constatar que foi graças a ela que o 3º Reich não logrou seus intentos em muitas de suas iniciativas. Com certeza os Imortais, que dirigem o nosso mundo, confiaram em nós e por essa confiança e por convicções de meu espírito quanto aos valores eternos, continuei deste lado a trabalhar para que meus irmãos pudessem compreender e valorizar a vida sob qualquer forma que ela se manifeste com o apoio da Providência. Tenho certeza de que aquilo que realizei foi indicado por nossos amigos do mais Alto e ,assim sendo, fomos convidados para promover o estudo e o trabalho que auxiliem nas tarefas as quais nos dedicamos" (Relato do Dr. Joseph Gleber)

 

 

 

Irmão Joseph Gleber